• Selma Mello

E GARANHUNS, COMO FICA ?Por Ivan Rodrigues


E GARANHUNS, COMO FICA ?

A imprensa noticia a instalação de uma empresa no Município de Bonito, neste Estado, com um investimento de 60 milhões de reais e criação de 1.600 postos de trabalho. Destina-se a garantir o fornecimento de componentes para a fábrica da FIAT em Goiana/PE, cujo entorno já está saturado e exigindo a criação de novos núcleos de apoio à unidade central de produção.

Como sempre, chovem as lamentações em nossa Garanhuns pela perda constante de polos de desenvolvimento QUE NUNCA CHEGAM até nós, em demonstração sugestiva do abandono e, sobretudo, da fragilidade das nossas lideranças que – por absoluta falta de uma visão estratégica - limitam-se a promover festas (vez por outra) para gáudio da população e sustentação dos hoteleiros durante curtíssimos períodos, imaginando , talvez, que sejam suficientes para garantir emprego e renda de forma permanente, como o mundo inteiro disputa.

Enquanto isso, as oportunidades de investimento se escoam direcionadas pelo peso político, administrativo e desenvolvimentista das lideranças de outras regiões, sempre atentas ao que ocorre no cenário econômico do mundo inteiro. Lembro e transcrevo abaixo um simples trabalho que divulguei, há 5 anos atrás, denominado “Complexo de Bruguelos” sugerindo uma leitura e uma reflexão sobre o assunto, para a simples constatação de que SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS pelo que ocorre e, de forma serena - mas veemente – discutir sem paixões e intolerâncias as soluções que possam eliminar os nossos atrasos.

COMPLEXO DE BRUGUELOS Todos sabem e, às vezes por experiência própria, conhecem bem a vida dos filhotes de passarinho. Enquanto não alçam voo próprio, permanecem amontoados no ninho à espera da ave-mãe para se alimentarem e, por consequência, sobreviverem. A rotina é exasperante com os bruguelos ansiosos, bicos abertos voltados para o céu, à espera da provedora que lhes trará o alimento salvador que ela, previdente, trará em suas próprias entranhas e o regurgitará diretamente no bico do filhote faminto. Impassíveis, nada fazem a não ser o piado insistente e lamurioso. E triste é a fatalidade que muitas vezes acontece pela morte, acidente ou prisão da ave-mãe que, dessa forma, fica impedida de socorrer os filhotes carentes, e disso resultando a morte inevitável dos desvalidos dependentes. Quando reflito sobre a desdita dos filhotes que sucumbem por uma espera frustrada da ave-mãe, é inevitável estabelecer-se um paralelo com a nossa querida Garanhuns, sempre à eterna e passiva espera dos benefícios carreados pelos incertos benfeitores, sem que suas próprias lideranças promovam e criem iniciativas imprescindíveis para a alavancagem do seu desenvolvimento. Não assumimos ações propositivas; não planejamos; não concebemos projetos; não discutimos ações; não debatemos alternativas; não buscamos novas formas de produção; não garimpamos parcerias; não fomos capazes, sequer, de provocar um investimento do Governo Federal no comando de um conterrâneo durante oito anos; e quando o Município perde posição, ficamos reclamando dos outros por não terem cumprido um papel que era de nossa responsabilidade. Até hoje não conseguimos, sequer, identificar a vocação de desenvolvimento para nossa terra, limitando-nos a uma crítica não fundamentada sobre a ausência de indústrias, esquecendo as mal sucedidas experiências anteriores. Será que nossas lideranças ainda acreditam que empresas virão instalar-se em Garanhuns, sem que tenham assegurado apoio institucional e condições favoráveis de mercado consumidor, logística de distribuição, matéria prima e mão de obra qualificada? Será que os exemplos exitosos não foram suficientes para alargar a cabeça dos nossas lideranças? Eduardo Campos entendia que a vocação de Garanhuns seria dirigida para os polos de turismo e educacional e eu exemplifico: os maiores sucessos nessa área que não foram trazidos de fora, mas sim criados pela iniciativa de nossas lideranças: na área cultural, como força geradora, o passo inicial promovido por Souto Dourado em 1968/72, através da criação do Centro Cultural de Garanhuns; na área universitária, que abriga hoje centenas de professores, doutores e milhares de alunos, a genetriz foi a inspiração de Amílcar Valença com a fundação da Faculdade de Administração de Garanhuns, em 1977, que gerou a AESGA; na área turística, a criação do Festival de Inverno por iniciativa de Ivo Amaral, há quase 30 anos que ganhou força e situa-se atualmente como um dos maiores festivais de Inverno do Brasil. Sou do tempo em que Garanhuns disputava com Caruarú a primazia entre os municípios do Estado e era um páreo duro! Era um grande centro educacional, com três colégios centenários que atraiam estudantes do Ceará a Alagoas. Inaugurou a primeira Rádio Emissora do interior, com alta qualidade técnica e cultural, incorporada à Rede Jornal do Comércio, com sua imodesta afirmação de “Pernambuco Falando Para o Mundo”. Primeiro Bispado do interior, somente muitos anos depois seguido por Caruarú, Palmares, Nazaré da Mata, Pesqueira e Afogados da Ingazeira. O Terminal Ferroviário mais importante do interior do Estado da Great Western of Brazil Railway Co. (GWBR) desde 1887, assegurando expressiva distribuição e coleta de mercadorias na grande região do Agreste. Cinco grandes usinas de compra, beneficiamento, distribuição e exportação de cereais: Manoel Pedro da Cunha, Schenker Barbosa, Pinto Alves e as multi nacionais Sanbra e Anderson Clayton. As montanhas de fardos de algodão, sacos de café, feijão, milho e mamona extravasavam dos armazéns ocupando até as calçadas das usinas. Inúmeras fazendas produzindo café fino, tipo exportação, que era exibido nas vitrinas da Europa, com a recomendação e o rótulo de “Café de Garanhuns”. Uma vida cultural intensa com publicação e edição de livros, revistas e jornais, alcançando o feito extraordinário de possuir um jornal diário em circulação, o “Garanhuns Diário”, fruto do pioneirismo do grande Dario Rego. Um grupo teatral amador, o “Grêmio Polymáthico de Garanhuns”, constituído por notáveis artistas amadores e com frequentes programações. Duas instituições expressivas para formação de menores: a Fazenda Santa Rosa e o Abrigo Bom Pastor, que atraíam adolescentes de todo o Estado. Até quando surgem as reclamações, elas são fora de foco. Quando acontece um acidente no sistema de bombeamento ou na adutora que acarreta deficiência temporária do abastecimento dagua, com toda razão é natural que surjam as reclamações, mas de pronto exacerbadas pelo exagero de acusar os governos por inoperância, esquecendo que foi o Governo de Eduardo Campos que, com dois anos e quatro meses de mandato, arrancou Garanhuns de um RACIONAMENTO DE TRINTA ANOS e ignorando que, mesmo no auge da seca que vem assolando o Estado, nossa cidade foi uma das pouquíssimas que mantiveram abastecimento dágua durante 24 horas, através da Barragem do Cajueiro. Em contraponto e para certificar o que afirmo, somos relapsos para fazer a parte que nos toca: no Governo de Arraes foi construída a barragem da Cajarana e no Governo de Eduardo Campos foi implantada a adutora para abastecimento de São Pedro, tornando a vila independente do ramal da cidade. Felicidade completa, mas ninguém foi às ruas para protestar quando os predatórios tomateiros de Camocim, com suas plantações à montante da barragem, poluíram a barragem com agro-tóxicos e a SECARAM TOTALMENTE, deixando a vila sem abastecimento, sendo necessário restabelecer o ramal desativado da cidade. Está lá para quem quiser ver! E ainda surgiram lideranças políticas irresponsáveis que na época preparavam Festivais do Tomate.... com todas as pompas e foguetórios, e os proprietários ribeirinhos que pararam de trabalhar com o suor do rosto e preferiram arrendar terras aos tomateiros! E ainda bem que a barragem secou antes de começar a mortandade de gente intoxicada em São Pedro! Recentemente, extinguiu-se um festival bem sucedido e já consolidado em oito edições, como comprovam as informações oficiais da edilidade, decisão que resultou em significativos prejuízos para o Município (do hoteleiro ao pipoqueiro, até aos cofres municipais) e, nem por força do prejuízo individual esboçou-se a menor reação. Restam, agora, dois festivais de feliz criação da atual administração municipal (Dominguinhos e Magia do Natal) e uma inexplicável obstinação para esvaziar – senão destruir - o consagrado Festival de Inverno de Garanhuns. Não fora a manifestação individual através das redes sociais e tudo correria sob o olhar tolerante da sociedade organizada. Atualmente, ao invés de disputar a primazia, Garanhuns desespera-se na luta para não sair da lista dos dez maiores municípios do Estado, uma vez que já foi ultrapassado por Vitória de Sto. Antão, Ipojuca, Cabo, Olinda, Jaboatão, Paulista, Caruarú, Petrolina e temos no nosso encalço Goiana, Igarassú, Gravatá e Serra Talhada. (Conforme anunciado há três anos, Garanhuns já chegou ao 14º lugar!) Continuamos, entretanto, com os bicos abertos voltados para o ar, esperando que alguma fada madrinha venha nos socorrer. Aceitamos ser coadjuvantes, sem assumir o protagonismo que seria de nossa obrigação. Quando é que vamos entender que o dever e a iniciativa são nossas e não dos outros? Essa ideia entrou em minhas reflexões, comparando-a com a passividade de Garanhuns diante dos malefícios que se cometem, constantemente, para seu prejuízo, sem que se levante uma reação qualquer de suas instituições. Nem quando arrostam prejuízos irreparáveis em suas próprias atividades, tomam qualquer iniciativa para reverter os procedimentos daninhos. Os exemplos são costumeiros, aberrantes, em sucessão enfadonha, sem que se levante uma voz ou mobilização, sequer, de reação, protesto ou revolta. Manifesta-se somente num enfadonho “piado de bruguelos famintos, lamurientos e sem fim do QUE ERA e do QUE ACABOU....” e a tristeza pela ausência da ave-mãe que nunca chega com a comida! IVAN RODRIGUES Fevereiro/2016

27 visualizações
Siga-nos para não perder nenhum post!
  • Instagram - White Circle
  • Blogger - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco

© 2020 SM by: Selma Mello

Garanhuns - Pernambuco